Infertilidade Feminina na Ayurveda (visão e dicas)

Há dois temas que me têm pedido muito: a perspectiva Ayurvédica e dicas naturais para a gravidez, e também para situações de infertilidade. Hoje começamos com a infertilidade, direccionando mais especificamente para a infertilidade feminina, e em breve escreverei sobre a gravidez.

infertilidade

Sobre a Infertilidade

Na Medicina Moderna, os problemas descritos como causas de infertilidade feminina são a idade, alterações hormonais, alterações a nível dos ovários, trompas de Falópio, útero, endométrio. Nos homens, a infertilidade é associada a baixa qualidade ou quantidade de espermatozóides, disfunção eréctil e espermatogénese.

A infertilidade na Ayurveda ocorre por alterações do sémen/espermatozóides, do óvulo ou da menstruação, que resultam do desequilíbrio dóshico. Um bebé saudável depende também das características do útero, do óvulo e do sémen. Devem estar todos bem nutridos. Os pais, ainda antes da concepção, devem adoptar certos cuidados com a alimentação, consumo de ervas específicas que podem ajudar a nutrir os tecidos e propiciam a fertilidade, massagens e preparação do corpo tanto da mãe como do bebé, e ainda um estado mental e emocional de calma e serenidade, confiança e equilíbrio que permita à mãe conectar-se com o seu bebé desde início.

(Nota: diz-se na Ayurveda que a gravidez ideal começa seis meses antes da concepção, com os preparativos do corpo e da mente)

Então e os doshas?

Os principais sintomas e sinais em todos os casos de infertilidade são, para a Ayurveda, o desequilíbrio geral dos três doshas (normalmente com Pitta-Vata a dominar), função irregular do fogo digestivo (agni), ou obstrução dos canais por nutrientes e energias mais subtis.

Um Pitta (dosha de fogo) aumentado no organismo feminino é, então, uma das principais causas da infertilidade. Isto acontece por causa da nossa vida de correria e stress, em que tentamos chegar a todo o lado, com mil afazeres, e temos menos tempo para dedicar à gravidez (e preparação para a gravidez). Para além disso, também contribuem o uso excessivo de alimentos acidificantes do organismo: álcool e cafeína, produtos processados e enlatados, carne. Por essa razão, a promoção da saúde da mulher para favorecimento da fertilidade deve dar prioridade a um estilo de vida mais sereno e uma alimentação mais saudável.

Apesar de fisiologicamente o sistema reprodutivo ser governado por sadhaka pitta, prana vata e apana vata (sub-doshas, podem ver mais info aqui), os orgãos reprodutores apresentam qualidades Kapha. Este dosha relaciona-se com a estrutura, com a sustentação, com a forma. Juntamente com rasa dhatu (plasma) e com Ojas (força de vida, que falaremos num próximo post, tal como Prana), kapha proporciona a nutrição, a estabilidade e “re-construção” do endométrio durante o tempo de vida em que a mulher menstrua (artava), e as qualidades untuosas deste dosha lubrificam os orgãos reprodutores.

Quando há desequilíbrio na menstruação (vandhyatva), considera-se que é a condição mais próxima de infertilidade feminina, na classificação Ayurvédica.

Preparação para a Gravidez

meditação fertilidade
Imagem daqui

Como referi na introdução, os futuros papás passam por um processo de preparação física e mental. Existe o hábito de realizar uma desintoxicação (como o Panchakarma, que é um conjunto de técnicas ancestrais para purificar corpo e mente, que inclui todos os sistemas do nosso organismo) e de consumir alimentos afrodisíacos, para melhorar a qualidade e quantidade de espermatozóides e óvulos.

Os principais objectivos do tratamento Ayurvédico são a purificação e optimização funcional dos tecidos reprodutores de ambos os elementos do casal. A presença de quaisquer toxinas (ama) acumuladas dificulta o processo de gravidez.

Instruções mais específicas para o período pré-concepção são: nos quatro primeiros dias da menstruação a mulher não pode tomar banhos de imersão ou ter relações sexuais, e deve procurar ter um sono tranquilo e beber leite com cevada. Já aqui deve procurar evitar o stress, cultivando antes serenidade e confiança.

As relações sexuais devem começar no 8° dia do ciclo menstrual até o 16° dia. Existem inclusive recomendações sobre em que dias ter relações sexuais para ter um menino e em que dias ajuda a ter menina. Escutar mantras e utilização de aromaterapia também auxiliam uma boa concepção. Sendo a Ayurveda uma ciência holística, não só tem em consideração a saúde física, como a saúde mental e o ambiente onde o casal vive.

Possíveis causas de infertilidade feminina

Menstruação irregular associada a sintomas como fluxo menstrual em excesso e cãibras severas são sinais de desequilíbrio, bem como alterações anatómicas (quistos nos ovários, útero retrovertido). Cesarianas anteriores, curetagens, abortos, fertilização in vitro, são tudo traumas para os tecidos do sistema reprodutor feminino. Deixam cicatrizes, levando a uma obstrução de apana vata (o subdosha que regula as funções ginecológicas). A hiperestimulação hormonal também utilizada na nossa medicina causa desequilíbrio de vata.

Doenças como alergias, esclerose múltipla, problemas de tiróide, obesidade, anorexia, síndrome do cólon irritável, são exemplos de um sistema imunitário em desequilíbrio, com factor dominante vata, gerando um ambiente uterino menos favorável à concepção e implantação. O historial de medicamentos tomados e tipos de ambiente a que fomos expostas ao longo da vida também influencia a fertilização, daí ser tão importante a purificação/limpeza do corpo. Alterações de sono, como as insónias, propiciam aumento dos níveis de stress, enfraquecendo tanto a nível emocional como físico. Outros exemplos de factores que podem também provocar desequilíbrios são antecedentes familiares, trabalho stressante e alteração de horários de sono constantemente (trabalho por turnos, ou viagens constantes para fusos horários diferentes), comida picante ou salgada em excesso, ansiedade e depressão.

Tratamentos para a Infertilidade Feminina

A Ayurveda é uma medicina holística, que personaliza o tratamento a cada uma de nós. São tratamentos individualizados, integrados de forma a promover o equilíbrio. Incide no nosso corpo físico, mental e espiritual, não incidindo sobre os sintomas apenas, mas indo à causa do desequilíbrio. O terapeuta faz várias perguntas e observações antes de estabelecer qual o desequilíbrio presente (o “diagnóstico” da Ayurveda).

Para a medicina indiana, a infertilidade feminina é vista como uma desintegração corpo-mente-espírito. Acredita-se que advém de conflitos mentais e emocionais não resolvidos, sendo revelados através dos sintomas. Estes conflitos podem ter origem ou ser influenciados parcial ou totalmente por factores como a tendência genética, alterações bioquímicas (como utilização de medicamentos) e traumas.

(Ler aqui sobre a bioquímica da depressão e aqui sobre a bioquímica da ansiedade – referidos mais atrás como possíveis causas para a infertilidade)

O tratamento Ayurvédico pretende assegurar a transformação da comida em nutrientes que possam nutrir o shukra dhatu (sistema reprodutor feminino).

(Nota para relembrar – Os 7 dhatus são: plasma, tecido muscular, células sanguíneas, sistemas reprodutores feminino e masculino, medula óssea e tecidos nervosos, tecido adiposo, e ossos e cartilagens)

Aqui ficam alguns dos tratamentos utilizados na Ayurveda para a infertilidade feminina:

Sudação/Swedana: é como uma sauna terapêutica. Favorece a excreção de toxinas do corpo.

swedana
Exemplo de terapias swedana – Imagem daqui

Massagem da fertilidade: este tipo de massagem pretende levar sangue oxigenado até aos ovários e futuros óvulos, eliminando tecidos e sangue estagnados. Incide também na descongestão das trompas de Falópio. Existem óleos adequados que se utilizam para a massagem, dependendo do problema de base, e que favorecem ainda mais os efeitos da mesma. Podem ver um vídeo de auto-massagem abaixo.

Alimentação saudável: os pesticidas contêm hormonas que são prejudiciais, e por isso as mulheres devem ingerir alimentos biológicos (escolher lentilhas, tomates, cenouras, couves e feijão preto). Ingerir alimentos como o espinafre e os brócolos, que são ricos em folato, previnindo alterações do feto.

Yoga: para mulheres que lutam com problemas de fertilidade, o yoga é uma excelente opção, não só porque reduz o stress, mas também ajuda a manter a saúde do corpo.

Leite medicado: para beber meia hora antes de ir para a cama, duas ou três vezes por semana. Ajuda a fortalecer a digestão e favorece o sono. Feito com leite de amêndoa ou caju, ao qual se adiciona uma pitada de cardamomo, gengibre, canela, noz moscada, e açafrão-das-índias. Levar a lume brando por 10 minutos. Pode ser adicionado agave ou mel.

Evitar excesso de calor: utilizar roupas largas e frescas, que permitam movimentos e não aqueçam demasiado o corpo. Pode recorrer-se a técnicas refrescantes como molhar os pés na água, tomar duche, sprays de água mineral.

Descansar e evitar o stress: a mulher deve descansar bastante, principalmente durante a fase da menstruação. Devem ser procuradas ferramentas que a ajudem a evitar sentimentos de ansiedade, depressão e alterações do sono porque, como vimos mais acima, estes prejudicam a fertilidade.

Existem ervas específicas da Ayurveda que um terapeuta após observação pode aconselhar, dependendo do tipo de problema com que se depara (exemplo: Shatavari é utilizada para a síndrome dos ovários poliquísticos, e para a obstrução das trompas de Falópio é muitas vezes aconselhada Punarnava).

Meditação: ajuda a controlar o stress e a ansiedade, melhora os sintomas de depressão e ajuda a mulher a conectar-se consigo, facilitando mais tarde a conexão com o seu bebé.

meditação
Imagem daqui

Isto são apenas ferramentas…

O mais importante é que o casal confie nos próprios instintos e abraçe o processo com Amor. O casal enche-se de expectativas e ideais, de como as coisas devem ser, e muitas vezes focam toda a sua atenção para esses aspectos, e há tendência para o overthinking, podendo isto resultar numa ansiedade muito grande. Tudo isto é normal e ninguém se deve sentir mal por isto. A infertilidade é mesmo uma situação muito delicada. Deve ser mantido em mente, contudo, que a gravidez é, no fundo, um processo natural, e que mesmo necessitando de “ajuda” e de se poder utilizar dicas como estas que aqui apresento, é importante manter alguma espontaneidade (o mais possível).

Este post serve como relato da perspectiva da Ayurveda sobre a infertilidade feminina e como guia com algumas dicas que podem seguir, nunca dispensando a consulta de um profissional adequado.

Espero que gostem. Om Shanti 🙂

Etiquetas , , , ,

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: