Gravidez na Perspectiva Ayurvédica

Hoje falamos deste lindo tema que tanto me têm pedido: a gravidez. Podem ver neste post sobre a infertilidade como é que se processa a preparação do casal em mais pormenor e já apresento algumas dicas. Agora vou direccionar para a gravidez.
gravidez

Gravidez e Ayurveda

De acordo com a Ayurveda, a gravidez e o nascimento são condições holísticas. São vistos como um processo de profunda transformação e criatividade.

Defende que deve ser alvo de dedicação e hábitos saudáveis, tanto física como mental e espiritualmente. Como vimos no post sobre a infertilidade, estes cuidados não devem ser mantidos apenas na gravidez, mas começar antes da concepção, e durante o período pós-natal.

A gravidez é uma fase linda da vida da mulher, mas não nos podemos esquecer que o corpo da mamã passa por inúmeras transformações para acolher uma nova vida. A Ayurveda cria o apoio não só para o corpo, mas para a mente e o espírito tanto da mãe como do bebé.

A promoção da saúde da mãe e do bebé durante a gravidez leva não só a conhecer as alterações que ocorrem, mas também fornecer informações sobre nutrição, rotina, meditação, e outros tratamentos mês a mês. Fica aqui uma lista resumida do desenvolvimento do feto considerada pelos textos clássicos da Ayurveda, mas também pela ciência moderna.

Se só te interessam os cuidados e dicas, podes saltar esta parte, que é um pouco mais teórica.

Mês a mês

Mês 1: A divisão celular inicia imediatamente após a concepção. O embrião é transportado pela trompa de Falópio correspondente até chegar ao útero, que se encontra com uma espessura específica ideal para a sua implantação. O cérebro, coração e espinal medula começam a formar-se.

Mês 2: As moléculas de ar, fogo, terra, água e éter actuam sobre os três doshas enquanto se começam a formar os orgãos genitais. Começam a desenvolver-se os sistemas digestivo e respiratório, e já se formou o sistema nervoso central. O coração do bebé começa a bater entre o final deste mês e o próximo (normalmente à 10ª semana de gestação), e o cordão umbilical aparece. Começam a formar-se também os dedinhos das mãos e dos pés.

Mês 3: Inicia-se o movimento, aparecem as unhas, os orgãos dos sentidos já estão formados, e o coração bate e faz circular o sangue. Os neurónios multiplicam-se.

Mês 4: A mamã começa a sentir o excesso de peso no corpo. Os desejos da mãe devem ser cumpridos, porque acreditam que são os desejos do bebé, e se não forem satisfeitos podem dar origem a deformações. O bebé já tem pescoço bem formado, bem como as articulações. Os ossos longos a desenvolvem-se. O bebé começa a dar pontapés, a pele começa a formar-se, e já é possível ter diferentes expressões faciais.

Mês 5: A mãe pode perder peso porque existe um aumento de sangue para o feto. O bebé adquire a mente (manah) e acorda do seu sono de existência sub-consciente, e já é bastante activo. Os orgãos genitais já são totalmente perceptíveis, e também já se desenvolveu o lanugo (uma espécie de penugem que cobre todo o corpo durante a vida intra-uterina). O bebé começa a ouvir e aparecem as sobrancelhas.

Mês 6: Existe um aumento da força do feto, e a mãe pode perder a sua, sentindo-se mais cansada. O feto apresenta cognição e começa a ficar na posição erecta. Formam-se as glândulas sudoríparas, a medula óssea começa a produzir células sanguíneas. Desenvolvem-se as papilas gustativas, o líquido amniótico entra e sai dos pulmões através da respiração, o bebé adquire um padrão de sono, e formam-se as impressões digitais.

Mês 7: A saúde da mamã pode ficar afectada porque há um grande desenvolvimento do feto. A gordura começa a acumular-se debaixo da pele e o cérebro tem um desenvolvimento enorme. O bebé pode chuchar no dedo e responder com diferentes expressões faciais a diferentes sabores. Os olhos abrem e fecham, e o bebé pode experimentar soluços.

Mês 8: Ojas (a força mental de Kapha, o fluido essencial do corpo subtil da mente) move-se entre a mãe e o bebé, de um para outro. A mamã pode sentir alterações de humor devido a este movimento. O parto durante este mês é perigoso exactamente por existe este movimento instável de ojas. O bebé já consegue detectar a luz.

Mês 9: Um parto normal ocorre entre o início do oitavo mês e o final do décimo mês. Muito do lanugo já desapareceu, e a gordura continua a acumular-se. A função dos orgãos melhora. O bebé muda de posição para ficar de cabeça para baixo.

Aqui começo com as dicas da Ayurveda. Recordo que este blog é informativo e não dispensa a consulta de um profissional adequado, que vos possa observar e detectar os problemas pessoalmente.

 

Algumas dicas para a Gravidez

Apana Vata

Apana Vata é um subdosha de Vata. Podem ler mais sobre ele aquimas resumidamente este está ligado ao funcionamento dos rins, cólon, recto, bexiga e genitais. Localiza-se na zona do chakra raiz. Apana Vata deve ser mantido em equilíbrio durante a gravidez. A energia deste subdosha a movimentar-se no corpo não deve ser muito forte ou muito fraca. Uma alteração que pode surgir caso haja um apana vata em excesso é a ansiedade. Boa comida, repouso e oleação do corpo podem ser aconselhadas para restaurar o equilíbrio.

Nutrição

Aconselha-se legumes e frutas frescos, biológicos, evitando comidas empacotadas e enlatadas. A comida deve ser de preferência cozinhada, visto que facilita a sua digestão. Os vegetais são muito importantes. Escolher legumes de folhas verdes, brócolos, alface verde, abóbora, batata doce e cenouras para uma ingestão diária.

Como já referi atrás, a Ayurveda acredita que todos os desejos alimentares da mamã durante a gravidez devem ser satisfeitos, tirando aqueles que serão prejudiciais para o feto. Isto acontece porque ao lhe ser negada essa satisfação, Vata pode ficar agravado. Então se a mamã quiser comer algo enlatado, em vez de ser sempre negado pode, uma vez por outra, ser misturado com outros alimentos, esses sim adequados à gravidez. É tudo uma questão de equilíbrio.

Os seis sabores devem ser ingeridos, mas com ênfase nos doces, salgados e amargos. Alguns exemplos são adoçantes como o agave, ou até o mel se o consumirem, leite e seus derivados se fizerem parte da vossa alimentação, frutas e legumes, especiarias como gengibre e cominhos, sementes de sésamo e frutos secos. O leite (animal ou vegetal) pode ser ingerido com cardamomo ou açafrão para uma melhor digestão.

Para a Medicina Indiana, não importa apenas o que se come, mas também como se come. A mamã deve sentir-se leve e satisfeita após a refeição. Algumas recomendações que podem ser importantes é fazer do almoço a principal refeição, esperar três horas entre as refeições, e comer sentada e com calma, procurando saborear a comida. Os alimentos não devem estar demasiado quentes.

Muitas mamãs ficam preocupadas com o peso, ou porque ganham muito ou porque ganham pouco, e ficam com receio que afecte o bebé. Para a Ayuveda, o ganho de peso é individual, nunca podendo a mamã comparar-se com outras.

O mais importante é garantir uma alimentação adequada e ouvir o próprio corpo e o que ele pede: devemos comer quando temos fome, e se a mamã quiser levantar-se a meio da noite para comer, deve fazê-lo.

Sou Vegan, e agora?

Uma coisa que me perguntam muito relaciona-se com o vegetarianismo e com veganismo. Uma das críticas que muitas futuras mamãs recebem é que não comem “de tudo” (ou seja, carne), e pode prejudicar o bebé. Algumas mães ficam preocupadas e assustadas com esta ideia, principalmente numa primeira gravidez.
A Ayurveda acredita que a comida deve ser consumida para uma saúde óptima, e não se deve mudar de dieta drasticamente durante a gravidez. Esta mudança drástica pode dar origem à libertação de toxinas que afectam o bebé. Há opções que podem ser trabalhadas juntamente com profissionais adequados se a mamã quiser manter a dieta e não ingerir produtos de origem animal. Isto é uma escolha da mãe, e se não puser em risco a saúde do bebé, não tem de se sentir incomodada.
Lembrem-se: tudo depende de variedade e equilíbrio, quer a grávida consuma produtos de origem animal ou não. Falem com um profissional adequado para vos ajudar a planear refeições que sejam benéficas para vocês e para o vosso bebé.

Rotina diária

Novamente falamos das horas de sono. Para a Ayurveda é importante manter um horário kapha e a hora de deitar entre as 18h e as 22h, acordando entre as 6h e as 10h. Nem sempre é possível, principalmente se a futura mamã estiver a trabalhar, principalmente se trabalha por turnos. Devem ser evitadas sestas durante o dia, nomeadamente em dias quentes. Contudo, o repouso deve ser tido em conta, principalmente durante os dois primeiros e os dois últimos meses. Se necessitares de uma sesta durante o dia, tenta que não seja muito longa. Não esperes até estares demasiado cansada para, pelo menos, te sentares a descansar um pouco

Estes horários são sugeridos porque permitem, por norma, segundo a literatura, um sono mais restabelecedor para a futura mamã. Não esquecer que estes padrões podem ser ajustados consoante o dosha da pessoa e o desequilíbrio presente. Neste caso, são adaptados à gravidez.

Oleação/Massagem Abhyanga

Uma massagem de oleação de corpo todo é importante para a rotina diária. As massagens podem ser contra-indicadas para as grávidas, contudo passar óleo de sésamo aquecido no corpo, principalmente nos ossos longos, nas articulações, e muito gentilmente aplicar no abdómen pode ser feito. Os gestos devem ser leves, sem pressão. Deve ser aplicado óleo nos mamilos a partir do quarto mês. Uma massagem aos pés ajuda a equilibrar vata.

Um duche quente depois da oleação, para além de potenciar o seu efeito relaxante, ajuda a abrir os canais da circulação sanguínea e previne a acumulação de toxinas.

Exercício

Para esta fase da vida de uma mulher, o exercício mais importante é prática ioga, caminhadas e também nadar. Para o ioga, o vosso professor saberá as posturas mais adequadas a cada fase da gravidez. Atenção se fazes ioga em casa, porque há certas posturas que devem ser evitadas.

Meditação

A meditação é importante tanto para a futura mamã como para o bebé. Uma coisa tão simples como focar na respiração é o suficiente para acalmar a mente, e consequentemente acalma o corpo, proporcionando um bom ambiente interno para o bebé se desenvolver. A meditação ajuda a futura mamã a ser mais feliz e positiva, e a atitude materna é um factor importante no bem-estar do bebé.

Ambiente

Tal como na preparação para a gravidez, para a medicina indiana também durante esta fase o ambiente em que a mulher se encontra tem um papel essencial. A família e os amigos devem ajudar com apoio emocional, e culturalmente crê-se que para o bebé ser feliz, a mãe tem de estar feliz. Devem ajudar a promover o conforto da futura mamã, o descanso, e aliviá-la de tarefas domésticas.

A mamã pode escolher músicas que a façam sentir bem. Deve evitar sons que a deixem mais agitada, e até mesmo imagens (por exemplo, na televisão) que lhe provoquem algum tempo de emoções negativas. O bebé consegue sentir tudo o que a mãe sente.

Preparação para o Bebé

É necessário ajudar os novos papás, principalmente numa primeira gravidez, a preparar o parto e o pós-parto. A mulher escolhe quem quer presente no parto, podendo também decidir que quer a presença de uma doula. O plano inclui mãe e bebé, e deve ser pensado como será para ambos o período pós-parto, sendo o primeiro mês muito importante, visto ser um mês de adaptação para toda a família.

Por último…

A Ayurveda defende, como vimos, que a futura mamã necessita de alimentação, repouso e ambiente adequados, bem como realizar exercício físico leve.  Estes conhecimentos muitas vezes são utilizados de forma complementar aos tratamentos da medicina moderna, desde que a mulher confirme com o médico se tem problema para a sua situação particular. Não esquecer que todos somos diferentes; o terapeuta de Ayurveda adapta o tratamento a cada pessoa, e na medicina moderna cada caso é um caso também, principalmente se lidaram com algum tipo de tratamento para ajudar a engravidar (como tratamentos hormonais). Claro que há coisas que não fazem mal, como a música, mas principalmente em relação ao tipo de alimentação e de exercício que a mulher pode fazer, convém sempre confirmar com profissionais adequados.

Por hoje é tudo aqui no blog. Se tiverem questões, se quiserem ver algum tema aqui tratado, se quiserem que investigue e exponha alguma coisa mais a fundo, podem pedir nos comentários ou por e-mail. Existem mais coisas a falar sobre a gravidez, e não sei se vos interessa ou não o período pós-parto. Este post contém aquilo que considero ser a base deste tema, e irei procurar formas de o explorar, porque sei que para algumas de vocês é importante.
Om Shanti 🙂
Etiquetas ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *