Dor – A Perspectiva Ayurvédica

Um dos temas pedidos por vocês foi a dor, incluindo a dor crónica. Este é um tema muito abrangente, mas escrevo aquilo que considero mais importante para o compreendermos.

Na Ayurveda, a dor pode ser vista como sintoma de outra doença, mas também como uma doença em si mesma.

Qual é a diferença entre uma doença e um sintoma?

A doença tem as suas próprias alterações patológicas, a sua própria etiologia, e sinais e sintomas específicos. Um sintoma, por seu lado, não se deve necessariamente devido a uma doença; pode ser causado por acumulação de um dosha, sem que exista doença. Quando a dor é constante, persistente, e é em si mesma um problema (por exemplo, por afectar a nossa capacidade de realização das tarefas diárias), é, então considerada uma doença.

Tipos de dor

Existem três tipos de dor, conforme o dosha que está em excesso. Toda a dor, seja de que tipo for, começa com Vata, porque este dosha está relacionado com prana (energia vital) que governa o sistema nervoso e todas as sensações. A localização principal de Vata é o cólon, e partir daí este move-se pelos diferentes canais do corpo. Prana também se move por todo o corpo. Se prana é alterado devido a um desequilíbrio em Vata, origina dor no corpo ou na mente.

Vata: muitas vezes parece não ter causa específica. Como Vata é um dosha de mobilidade, a dor pode irradiar, ou até mover-se de um local do corpo para outro, e é uma dor intermitente, que pode manifestar-se num momento e no seguinte ter desaparecido, voltando a surgir mais tarde. Agrava-se nos períodos Vata do dia (02h até 06h e 14h até 18h). Também é mais intensa nas estações que agravam Vata, o Outono e o Inverno.

  • Agravada pela exposição ao frio e movimento excessivo

  • Acompanhada por inchaço abdominal, obstipação e gases intestinais

Pitta: ocorre quando Pitta em excesso está a bloquear Vata de se mover pelo corpo. Uma dor Pitta é caracterizada por sensação de queimadura e por inflamação, e pode propagar-se para além do local “de origem”. Existe sensibilidade ao toque e a dor aumenta com a pressão do local. Mais intensa na estação Pitta, o Verão, e o frio ajuda a aliviar. Durante o dia, agrava-se nos momentos Pitta (10h até às 14h e 22h até 02h).

  • Também agravada pelo movimento e exposição ao calor

  • Acompanhada por náuseas, vómitos e diarreia

Kapha: neste caso, é o excesso de Kapha que bloqueia o movimento de Vata. A pele nas zona afectadas fica fria, e até pegajosa. Existe congestão e inchaço, porque Kapha tem qualidades oleosas e líquidas. Como este dosha é estático, a dor é localizada, não tendo a irradiação que existe na dor Vata, nem se propagando como a dor Pitta. Pode ser aliviada com massagem e pressão, calor e exercícios. Agravada no Inverno e Primavera, e também nas horas Kapha do dia (06h até 10h e 18h até 22h)

  • Agrava-se pela exposição ao frio e movimentos contra a gravidade ou simplesmente por estar em pé

  • Acompanhada por sonolência excessiva

Alívio da dor – Aspectos gerais

No geral, a dor pode tratar-se com ervas específicas, e que podem ser utilizadas de várias maneiras, desde chás, a óleos de massagem, podem ser feitas “pastas” ou emplastros para aplicação local, para fumar, ou utilizadas com a alimentação.

Mas, como em tudo, o equilíbrio dóshico é importante, e utilizam-se tratamentos que o vão promover. Como poderão notar, há certas coisas que para nós são estranhas (no mínimo), mas são utilizadas na Ayurveda há anos.

Devem ser sempre (!) realizadas com acompanhamento de um terapeuta.

Relembro que estes posts são informativos, e não substituem a consulta de um profissional adequado, que pode observar-nos com diferentes técnicas de diagnóstico, e saber mais especificamente os tratamentos melhores para nós, mas também ajudar-nos em todo o processo.

Dor Vata: utiliza-se a aplicação de calor (svedana), massagem com óleo (snehana), enemas medicados e pressão no local da dor.

Dor Pitta: utilizam-se tratamentos refrescantes, como a aplicação de gelo local, e tratamentos específicos de purga (virechana).

Dor Kapha: utilizam-se tratamentos como aplicação de calor seco, massagem seca (com escova ou pó específicos) ou também o vómito terapêutico (vamana).

Apesar dos tratamentos acima descritos, que são os mais específicos, todos os tipos de dor podem ser aliviados com uma massagem com óleo específico para o dosha, como, por exemplo: Vata, óleo de sésamo; Pitta, óleo de côco; Kapha, óleo de mostarda. Podem também ser adicionados óleos essenciais aos óleos de massagem, como, por exemplo, óleo essencial de gengibre para Vata, óleo essencial de sândalo para Pitta, e óleo essencial de canela para Kapha.

Relativamente à dor crónica…

Esta tem uma duração de 3 a 6 meses, ou mais. Por vezes pode não ter causa óbvia, mas pode também ser resultado de uma doença/problema/trauma físico específico. É uma dor que pode levar à perda de energia, por ser tão duradoura, afectando o nosso dia-a-dia por tempo prolongado, e pode levar a ansiedade e depressão. Na Ayurveda serão aconselhados tratamentos adequados ao dosha, e poderá exigir mudanças mais profundas e permanentes na nossa vida.

Mais uma vez, é sempre importante o acompanhamento por um profissional adequado, mas a Ayuveda tem alguns conselhos:

  • Beber bastante água ao longo do dia, o que ajuda a desintoxicar o corpo gentilmente

  • Evitar comidas com açúcar e picante porque estes aumentam a inflamação

  • A prática de yoga adaptado aos problemas da pessoa pode ser também muito benéfica (falem sempre com o vosso professor para ele vos ajudar)

  • Meditação, que ajuda a relaxar o corpo e a mente

No essencial, é isto. Se eu perceber que existem dúvidas ou que encontro alguma coisa que sinta que deva desenvolver sobre o tema, assim farei. Espero que gostem 😊

Etiquetas , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *